O que lésbicas devem saber sobre prevenção de infecções sexualmente transmissíveis?

Existe a falsa crença que infecções sexualmente transmissíveis (ISTs) não são transmitidas entre lésbicas, mas sexo entre mulheres é sexo, e, portanto, passível de transmitir infecções. Infelizmente fala-se muito pouco sobre prevenção nesse cenário, deixando essas mulheres com poucas informações de como se cuidar.

Há risco de transmissão de quais infecções?

O risco de transmissão de infecções depende muito das práticas sexuais realizadas. De maneira geral, as infecções com maior risco de transmissão no sexo entre mulheres são sífilis, herpes, HPV, clamídia e gonorreia.

A transmissão do HIV é bem menos provável. O risco, entretanto, aumenta se alguma ou ambas as parceiras estiverem menstruadas.

Risco de transmissão de ISTs durante o sexo oral:

As infecções com maior risco de transmissão pelo sexo oral são sífilis e herpes.

Para se proteger, é interessante evitar a prática se alguma das parceiras apresentar lesões orais ou na vulva.

Também pode-se utilizar algum método de barreira durante o sexo oral, para evitar o contato direto da boca com a vulva. Algumas possibilidades são uma camisinha cortada de modo a virar um quadrado de látex, uso de plástico filme, calcinhas de látex e o chamado “Dental DAM”, película utilizada por dentistas em sua prática clínica. A camisinha feminina não é tão eficaz pois não recobre toda a vulva.

Risco de transmissão de ISTs durante o contato entre as vulvas:

As infecções com maior risco de transmissão pelo sexo oral são sífilis, HPV, herpes, clamídia e gonorreia.

Também não é uma prática recomendada caso alguma das parceiras esteja com alguma lesão na vulva ou com um corrimento de características não habituais.

Cuidados ao utilizar brinquedos sexuais:

Caso haja compartilhamento de acessórios entre as parceiras, deve-se usar camisinha para a penetração vaginal ou anal e trocar de preservativo quando a outra pessoa for utilizar o brinquedo.

Após o uso é importante sempre lavar bem o acessório com água e sabão.

Existe alguma vacina contra infecções sexualmente transmissíveis?

Sim! É possível se vacinar contra o HPV, a hepatite A e a hepatite B, que são infecções que podem ser adquiridas sexualmente.

Dica de ouro:

Assim como nas demais populações sexualmente ativas, é importantíssima a realização de exames periódicos para rastreio de ISTs nas mulheres lésbicas.

Também é importante ter acompanhamento ginecológico regular.

Escolha sempre médicos ou médicas com quem você se sinta à vontade para falar sobre sua orientação e suas práticas sexuais e para esclarecer todas as suas dúvidas sobre a prevenção de infecções!

Entre em Contato